Ainda não há comentários

Autoridade Palestina reconhece oficialmente grupo evangélico que atua na Terra Santa

Presidente do Conselho de Igrejas Evangélicas Locais diz que o grupo trabalhou 12 anos para obter o reconhecimento

A Autoridade Palestina concedeu oficialmente o reconhecimento legal a um grupo evangélico regional, de acordo com um anúncio feito na Assembleia Geral da Aliança Evangélica Mundial.

Durante anos, o Conselho de Igrejas Evangélicas Locais na Terra Santa operou na Cisjordânia, mas sem o reconhecimento oficial do governo.

O presidente do Conselho, Munir Kakish, anunciou na Assembleia Geral da WEA, realizada de 7 a 12 de novembro perto de Jacarta, na Indonésia, que a AP finalmente havia concedido reconhecimento legal à sua organização.

Em uma cópia de seu discurso fornecido ao The Christian Post, Kakish anunciou que eles estavam trabalhando para obter o reconhecimento por 12 anos.

“Nos foram concedidos todos os nossos direitos civis como organização religiosa”, observou Kakish. “Este é um momento histórico, pois outros países próximos não têm reconhecimento”.

“Nosso coração está cheio de gratidão a Deus por essa nova declaração”, acrescentou, agradecendo também ao presidente da AP Mahmoud Abbas e ao Dr. Ramzi Khoury, diretor geral do Fundo Nacional Palestino, por terem recebido o reconhecimento.

Como resultado do reconhecimento oficial, o Conselho pode conceder licenças de casamento, abrir contas bancárias e comprar legalmente terras registradas em seu nome.

O Bispo Efraim Tendero, secretário-geral da WEA para o qual o Conselho é sua aliança evangélica na região, comemorou o reconhecimento do Conselho em um discurso na Assembleia Geral.

“Tivemos um sucesso maravilhoso esta semana, quando a Autoridade Nacional Palestina concedeu total reconhecimento à nossa aliança evangélica na Palestina, que eles procuram há 12 anos”, disse Tendero.

“Cristãos de todo o mundo estão sofrendo por sua fé. É gratificante saber que desempenhamos um papel significativo em defendê-los e incentivá-los”, acrescentou.

Tendero também enfatizou a importância da defesa da liberdade religiosa como parte da missão da WEA, rotulando-a de “uma de nossas atividades mais importantes”.

“Essa defesa é essencial para o nosso objetivo de permitir que o Evangelho seja pregado em todo o mundo. Também, por uma questão de princípio, apoiamos a liberdade religiosa para todas as pessoas, não apenas para os cristãos. Ao fazer isso, conquistamos respeito e parceiros por nossos esforços”, continuou ele.

A Portas Abertas dos EUA, um grupo de vigilância de perseguição cristã, descreveu a população cristã dos Territórios Palestinos como “apanhada no meio” entre as limitações impostas pelas autoridades israelenses e a hostilidade religiosa dos muçulmanos palestinos.

Publicar um comentário

Você precisa estar ligado em para comentar.